leile_pinto@hotmail.com

sábado, 12 de março de 2011

EUTANÁSIA NA VISÃO ESPIRITUAL


Um homem agoniza, presa de cruéis sofrimentos. Sabe-se que o seu estado é sem esperanças. É permitido poupar-lhe alguns instantes de agonia, abreviando-lhe o fim?

- Mas quem vos daria o direito de prejulgar os desígnios de Deus? Não pode ele conduzir um homem até a beira da sepultura, para em seguida retirá-lo, com o fim de fazê-lo examinar-se a si mesmo e modificar-lhe os pensamentos?

Aliviai os últimos sofrimentos o mais que puderdes, mas guardai-vos de abreviar a vida, mesmo que seja apenas em um minuto, porque esse minuto pode poupar muitas lágrimas no futuro.

Allan Kardec, Evangelho o Espiritismo

Observamos uma crescente onda de posicionamentos favoráveis à eutanásia. Tais posições, na maioria das vezes originam-se no sentimento de compaixão em relação ao sofrimento do doente em fase terminal, preso ao leito, com a sentença dada pelo diagnóstico médico de que a situação é irreversível. Muitas vezes, percebe-se a existência de interesses velados, geralmente relacionados com questões de ordem econômica – financeira, ou a presença de sentimentos egoísticos que levam à necessidade de libertar o doente, para liberar o compromisso e responsabilidade com o mesmo. Sob o contexto materialista e imediatista que caracteriza a sociedade contemporânea, a eutanásia surge como um bálsamo, que liberta o ser de um sofrimento inútil já que não existe uma expectativa de cura ou retorno à consciência.

Essa questão refletida à luz do espiritismo, nos remete à análise de dois pontos fundamentais : a Reencarnação e a lei de Causa e Efeito.

A reencarnação, é o processo que possibilita o desenvolvimento intelecto-moral do ser, através da pluralidade das existências, e viabiliza o crescimento íntimo que geralmente é lento, mas contínuo.“ Uma existência física é período muitíssimo breve para aquisição dos tesouros inimagináveis da sabedoria que promana de Deus”. Portanto, em cada experiência carnal o ser avança paulatinamente, seja pela dor ou pelo amor, na sua caminhada em busca da plenitude. Por conseguinte, a vida é uma dádiva que recebemos, para que possamos cumprir os nossos programas evolutivos, numa trajetória ascendente para Deus. O corpo é o instrumento abençoado que possibilita a existência na oportunidade redentora da reencarnação. Este, é modelado de acordo com as matrizes do perispírito que tem registrado “todos os títulos de enobrecimento ou os débitos adquiridos pelo ser espiritual nas suas sucessivas reencarnações.” Conseqüentemente, somos os artífices desta preciosa máquina através da qual seguimos na jornada rumo ao sublime. Desta forma, os diferentes processos de enfermidades pelos quais passamos podem ter sua gênese em atitudes não saudáveis que adotamos na presente existência, como ser decorrente das tergiversações do passado.

O processo de evolução é lento, muitas vezes árduo, porém, justo, de acordo com as especificidades de cada ser.“ O homem é o construtor de si mesmo sob a inalienável observância e o determinismo das soberanas Leis……

Legatário das próprias experiências, plasma numa etapa o envoltório de que se revestirá na próxima, enrodilhando-se no cipoal dos remorsos ou elaborando as asas, com que, livre planará nos espaços da consciência reta.”

Segundo a Lei da Causa e Efeito ou Ação e Reação, o ser vivencia na presente existência as reações de suas ações do passado, portanto, é responsável por seus atos, e também responsável por tudo de bom como de mal que lhe acontece. Assim, o sofrimento humano, tem sua origem nas vidas anteriores, e se constitui em via de redenção espiritual, devido à imperfeição moral do ser. Através deste, o homem resgata os compromissos assumidos no passado delinqüente, ao esmo tempo que repara as infrações cometidas contra os códigos estabelecidos pela Lei da Vida, ascendendo na hierarquia evolutiva e deixando à retaguarda o seu primitivismo animal.

Diante da compreensão e aceitação da reencarnação, do entendimento que a justiça é feita através do próprio ser pelo seu proceder, não há como aceitar a eutanásia. Esta, se apresenta como crime ante a consciência da realidade espiritual. Não cabe ao homem deliberar sobre a vida ou morte de seu próximo, mesmo que este se encontre em extremo sofrimento, moribundo ou em outras aflições irrecuperáveis. Compete somente à Deus precisar a hora do término da provação. Quem somos nós, para prever o tempo necessário do resgate edificante? Quem garante que o doente não possa se restabelecer de forma imprevista? Quem pode afirmar que a ciência nunca falhou? Quem sabe se a ciência não descobre cura ?

Para o espiritismo não há explicação que justifique a utilização da eutanásia, sempre deve-se respeitar a vida humana até o derradeiro suspiro, e além dele na verdadeira vida – a espiritual. Quando o homem se deixar tocar pela fé verdadeira, entenderá o real significado da dor e da compaixão, e este tema – eutanásia -, não será mais motivo de discussão e preocupação, pois os esforços serão todos envidados no sentido da cooperação, para que os irmãos em sofrimento possam chegar ao término de sua jornada terrena cumprindo com êxito sua provas e expiações, para seguir em paz rumo a libertação total.

Nenhum comentário:

Postar um comentário