leile_pinto@hotmail.com

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

PARA TODAS AS ESCOLAS. PARTICIPE!

http://www.pelodireitodesercrianca.com.br/

O Programa pelo Direito de Ser Criança é uma ação realizada por OMO, que busca reconhecer e premiar escolas que valorizam a importância do brincar e do aprender pela experiência em suas práticas escolares.


O Programa pelo Direito de Ser Criança é destinado aos profissionais de educação das escolas da rede pública e privada de todo o Brasil, que atuam com crianças do Educação Infantil e/ou do ciclo do Ensino Fundamental I. A premiação vai contemplar duas categorias:



Essa categoria é destinada às escolas da Educação Infantil e busca avaliar, principalmente, como o brincar é utilizado no dia a dia escolar para incentivar o desenvolvimento social dos alunos.



Essa categoria é destinada às escolas do Ensino Fundamental I e busca avaliar a forma como o aprender pela experiência é utilizado como ferramenta para o contato dos alunos com o universo que os cerca.

Todas as escolas inscritas serão avaliadas por uma comissão de especialistas em educação, responsável pela geração de um referencial teórico e de indicadores acerca do brincar e do aprender pela experiência.

Todo esse referencial se organiza dentro de cinco pilares conceituais que, juntos geram um critério de avaliação objetivo que será utilizado em 2 fases de avaliação, de acordo com a categoria das escolas participantes:

Direito de brincar e de aprender através de brinquedos não estruturados
Valoriza o tempo e o espaço do brincar na escola, a criança como sujeito desse brincar e a utilização de materiais de baixo custo, simples e essenciais.

Direito de aprender pela experiência
Valoriza a experiência individual e subjetiva, bem como a criança como sujeito de seu aprendizado.

Direito de estar em contato com a natureza
Valoriza o contato dos alunos com a natureza e seus elementos.

Direito de experimentar o cuidado com o planeta e com a sociedade
Valoriza a escola que adote práticas sustentáveis e socialmente responsáveis gerando posturas reflexivas entre os alunos.

Direito de vivenciar a cultura local
Valoriza a escola que reconheça a cultura local de seus alunos e da região onde está inserida, destacando seus aspectos comunitários, festivos e de participação comunitária e familiar dentro da realidade e espaços escolares.

Como participar
Fase 1 - Inscrições
Cadastre sua escola.Preencha e envie o formulário de inscrição.Aguarde nosso contato para a segunda fase. Enviaremos um e-mail com todas as instruções.
Acompanhe nosso site.
As escolas selecionadas para a segunda fase serão divulgadas no dia 19/10.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

CARDÁPIO BALANCEADO NAS ESCOLAS PÚBLICAS


A escola é um espaço privilegiado para a promoção da saúde e desempenha
papel fundamental na formação de valores, hábitos e estilos de vida, entre
eles o da alimentação. Proporcionar um ambiente favorável à vivência de
saberes e sabores favorece a construção de uma relação saudável da criança
com o alimento.

A Semana de Alimentação Escolar (SAE) foi instituída na rede pública de ensino
em 1959, por meio de decreto federal, como componente educativo da Campanha Nacional de Merenda Escolar. Até recentemente, esta data era comemorada na última semana do mês de março de cada ano.

Arroz, feijão, cuscuz, leite, macarrão,verduras, frango, ovos,inhame,carne, sucos e vitamina de frutas. Ingredientes fundamentais para um cardápio balanceado não poderiam faltar na merenda das escolas. O cardápio é elaborado por nutricionistas.

Alguns pais mandam lanche para seus filhos mesmo sabendo que a escola fornece a merenda, com a justificativa de que seu filho não gosta de determinados alimentos.O pior é que em alguns casos mandam alimentos que não são saudáveis e toda reunião escolar é preciso tentar conscientizá-los a não mandar o lanche de casa e deixar a criança experimentar a merenda escolar.

domingo, 25 de setembro de 2011

INCLUSÃO DE VALORES HUMANOS NAS ESCOLAS - SOS

INCLUSÃO DE VALORES HUMANOS
nos currículos escolares

O Conselho Nacional de Educação (CNE) está promovendo um louvável debate,
em nível nacional, visando incluir a disciplina Direitos Humanos nos currículos
escolares do ensino básico e superior.
Entretanto, esse esforço do CNE só terá um efeito realmente abrangente e
verdadeiramente produtivo para a nação, se iniciar esse processo com o ensino
de Valores Humanos em todas as escolas do país, pelas seguintes razões:
Direitos – são indicativos de TER.
Valores – indicam o SER.
Para que alguém possa TER com equilíbrio, de forma a não gerar transtornos de
variadas naturezas, é indispensável primeiro aprender a SER.
Para que alguém possa vir a respeitar os direitos dos outros e a mobilizar-se colaborando
para que sejam respeitados, é necessário antes construir-se sobre as bases do SER,
e isto só se consegue mediante a internalização dos Valores Humanos, ou seja, honradez, honestidade, ética, justiça, afetividade, responsabilidade, solidariedade, não violência,
verdade, amor pela natureza, cuidados com o meio ambiente, respeito em todas as suas dimensões, etc..

Nos últimos meses temos desenvolvido diálogos com alguns membros do Conselho
Nacional de Educação (CNE) e da Secretaria de Direitos Humanos sobre o debate que vêm realizando, sugerindo que antes do ensino dos Direitos seria fundamental ensinar-se
Valores Humanos, tendo em vista que são esses valores que formam o caráter, e é
dessa formação do caráter que mais está necessitada nossa sociedade.
As respostas que temos recebido informam que nas aulas de Filosofia, Sociologia,
Ética, Cidadania, e na própria disciplina Direitos Humanos, já são e serão
contemplados os Valores Humanos.
Entretanto, na leitura que nosso grupo (informal) de profissionais da área de educação
faz sobre essa questão, observa algumas diferenças pouco percebidas, mas importantíssimas,
que nos remetem ao seguinte:
Quando se ensina algo, a recepção se dá em nível intelectual, ou seja, é uma informação
que o receptor poderá, ou não, aplicar em seu cotidiano. No entanto, quando esse algo é repassado num formato não apenas intelectivo, mas também envolvendo sentimentos,
emoções e imagens mentais (estas últimas, visualizadas mediante contos e narrativas
como ocorre nos aprendizados de Valores Humanos), acaba sendo internalizado
e passa a fazer parte do caráter.
Certamente esse é um processo lento, para médio e longo prazo, mas é essa formação
do caráter a estrutura única sobre a qual será possível construir-se uma sociedade
moral e eticamente saudável.

Portanto, entendemos que, se quisermos ter no futuro uma sociedade saudável, o ensino
de Valores Humanos deve ocorrer nas salas de aula como matéria específica e num formato próprio, assim como acontecia antigamente, quando os mais velhos os ensinavam
às crianças e jovens.
Só assim, com esses valores internalizados, e não como informações processadas pelo
intelecto, poderemos contar com as transformações interiores tão necessárias em nossa sociedade.

É necessário observar-se também que um dos itens mais importantes dos Valores Humanos
é o respeito em todas as suas dimensões, e quem internaliza esse valor estará praticando
os próprios Direitos Humanos, mesmo sem conhecê-los pelas letras da lei.
Outro destaque é que o ensino de Valores Humanos não dará maiores despesas à nação,
e é de fácil implantação pelas escolas, posto que já existem excelentes conteúdos,
inteiramente gratuitos, via Internet, para o ensino desses valores em sala de aula,
conteúdos já testados, analisados e aprovados por inúmeras escolas e por várias secretarias
de educação estaduais e municipais, como ocorre com este Programa, Cinco Minutos
de Valores Humanos para a Escola.

Se o Conselho Nacional de Educação (CNE) incluir o ensino de Valores Humanos nas
escolas do país, estará dando início a um processo de mudanças lentas, mas sistemáticas
e progressivas, ao começar pela reformulação da mentalidade das novas gerações, posto
que a da geração atual se encontra permeada por desonestidade, violência, injustiça,
corrupção desenfreada, falta de ética, de respeito, pelo “dar-se bem”, etc., mantendo
a nação mergulhada numa situação que, além de vergonhosa, gera muito
sofrimento a milhões de pessoas.

Só mesmo mediante uma mudança radical na mentalidade vigente é possível pensar-se
num futuro melhor e mais digno para nós e para nossos descendentes.

Pensemos na importância das crianças e dos jovens a receberem diuturnamente esses ensinamentos, aprendendo também a olhar o outro com um olhar de acolhimento, de paz,
que são os fundamentos da não violência, e a admirar e amar a natureza e a vida,
em todas as suas expressões.



Se concorda com o exposto, pedimos que colabore da forma como lhe for possível.
Se você é da área da educação, pode levar o ensino de valores humanos à sua escola ou nas de sua área de influência, ou ainda, divulgando esta a seus contatos, difundindo a idéia.

Mas pode atuar de forma bem mais produtiva, levando-a a alguém que possa influir junto aos que têm poder de decisão nessa questão, ou seja: membros do Conselho Nacional de Educação (CNE), da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, do Comitê Nacional
de Educação em Direitos Humanos, de Secretários Estaduais de Educação, políticos, etc..

Pode também apresentá-la a dirigentes de escolas, a secretarias de
educação, etc., que poderão adotar o ensino desses valores em sala de aula,
mesmo sem estarem incluídos nos currículos oficiais.

Quanto maior o número de pessoas que divulguem este movimento, que falem sobre ele com aqueles que podem decidir essa questão, que enviem e-mails a seus contatos...
maiores serão as possibilidades de se conseguir a inclusão do ensino de Valores Humanos
nos currículos escolares, nem que seja associado a outra disciplina.

Mas, mesmo que isto não venha a acontecer pelas vias oficiais, um movimento como
este irá contribuir para que escolas e professores se engajem, passando a
realizar tais ensinamentos em sala de aula.

Acredite, a sua colaboração estará ajudando a desencadear
um processo de mudanças estruturais, tão necessárias em nosso país.

sábado, 24 de setembro de 2011

SÍNDROME ABBA - DIARRÉIA CONSTANTE

A pessoa que está com uma diarréia constante normalmente acha que tem que se hidratar e deixar de comer gorduras que logo passa, mas não sabe que diarréia constante pode ser um sinal de síndrome de Abba.

Como saber se a Síndrome de Abba o atingiu?

Se você está com diarréia constante sabe que algo não está bem no seu organismo, essa é a lógica. Porém uma associação entre uma avaria, vesícula biliar e diarréia constante e/ou crônica provavelmente pode ser sintomas da síndrome de Abba.
Dê mais atenção para sua diarréia e primeiro descarte a opção de estar com a síndrome de Abba.

Se sua diarréia está fazendo você ter mais de três (ou três) evacuações ao dia, durante um tempo aproximadamente de dois ou três meses, fique atento, já deveria ter ido ao médico. Caso ainda não tenha ido, procure o mais próximo a sua residência. No caso de já ter ido, provavelmente ele alertou que pode estar com a síndrome.

Como é a diarréia da síndrome de Abba?

Normalmente além de ter evacuações seguidas, o portador da síndrome apresenta graus variados da diarréia, ela é freqüente e as fezes são aquosas. A crise de diarréia ocorre após qualquer refeição feita durante a manhã, tarde ou noite.

Os portadores da síndrome sofrem muito, além do desconforto, da dor de barriga, eles mal podem sair de casa, pois sentem urgência em evacuar em qualquer lugar, e começa a “correria” por um banheiro. Esses sintomas deixam a pessoa com medo de sair de casa e medo de possuir um convívio social.

Conseqüência da síndrome

Além do que foi explicado, as pessoas com a síndrome perdem peso, e bastante, pois elas evacuam praticamente tudo que comem, com isso, elas passam a comer menos, na intenção de que irão evacuar menos. Normalmente, o paciente adapta uma rotina de não comer de noite para não ter maiores problemas durante seu sono.

Tratamento

Basicamente a patologia da síndrome de Abba é o uso inadequado da bile no trato intestinal associada com a disfunção da vesícula biliar. A partir disto, o tratamento deve ser direcionado para emendar a constituição dos ácidos biliares, com a intenção de reduzir a diarréia constante.

Remédios que fazem a ligação dos ácidos biliares foram testados por muitos anos e comprovam ser seguro, além de eficaz e economicamente viável, ainda que muitos destes remédios estão disponíveis na forma genérica.
O tratamento é simples, basta tomar os remédios recomendados pelo seu médico meia hora antes das principais refeições, pois desta forma ocorre o vinculo dos ácidos biliares, tendo um resultado satisfatório.

Efetuando um tratamento contínuo é estimado que os sintomas devam desaparecer dentro de poucos dias, mas não tome os medicamentos sem ser recomendado pelo médico, pois somente ele saberá dizer se o tempo de tratamento que terá que fazer, pode ser por pouco tempo ou um longo tempo.

Por Luiziane Acunha

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

HOMENAGEM A GRANDE ATRIZ ELOÍSA MAFALDA









Eloísa Mafalda está fora do ar desde "O beijo do vampiro" (foto maior), de 2002. Os convites para voltar foram muitos, mas a atriz não pôde aceitá-los. Na época de sua última novela, ela já não conseguia mais decorar os textos e decidiu sair de cena. Aos 85 anos, Eloísa vem perdendo a memória e nem se lembra mais que participou da primeira versão de "Paraíso" (foto menor), no papel que hoje é vivido por Cássia Kiss.

"Só é possível conversar com ela amenidades. A memória dela está afetada", diz a filha, Mirian, que mora com Eloísa numa casa na serra de Petrópolis.

No dia 14 de fevereiro, a atriz levou um tombo e quebrou o fêmur. Agora serão seis meses de recuperação.Eloísa Mafalda, nome artístico de Mafalda Teotto (Jundiaí, 18 de setembro de 1924) é uma atriz brasileira.
Na década de 1970 ela foi a Dona Nenê (Irene Silva), na primeira versão de A Grande Família, da TV Globo, ao lado de Jorge Dória, que fazia o Sr. Lineu.
A atriz se destacou em várias novelas da Globo como a Maria Machadão em Gabriela (1975), a Maria Aparadeira em Saramandaia (1976), a Consolação em O Astro (1977), a dona Mariana em Paraíso (1982) e a Gioconda de Pedra sobre Pedra (1992). Mas sem dúvida seu maior sucesso foi a dona Pombinha Abelha em Roque Santeiro (1985).
Atualmente sofre de alzeimer que, alem de perder a memória, sofre por um acidente ao levar um tombo em casa e quebrar o fêmur.


Trabalhos na TV

2003 - O Beijo do Vampiro - Dona Carmem
2001 - Porto dos Milagres - Celeste (participação especial)
2001 - O Clone - vizinha de Jade (participação especial)
2000 - Aquarela do Brasil - Margarida
1999 - Malhação - Dona Antônia
1998 - Meu Bem Querer - Delfina
1998 - Labirinto - Sarita
1997 - Caça Talentos - Maria de Fátima
1997 - Por Amor - Leonor
1996 - Quem É Você? - Kitty
1994 - A Madona de Cedro - Efigênia
1993 - Mulheres de Areia - Manuela
1992 - Pedra Sobre Pedra - Gioconda
1990 - Araponga - Zuleide
1990 - A, E, I, O... Urca - Damásia
1990 - Delegacia de Mulheres - Celeste
1989 - O Sexo dos Anjos - Francisquinha
1988 - Vida Nova - cafetina (participação especial)
1987 - Hipertensão - Gioconda
1985 - Roque Santeiro - Dona Pombinha
1984 - Corpo a Corpo - Guiomar
1983 - Champagne - Adélia
1983 - Caso Verdade
1982 - Paraíso - Dona Mariana
1981 - Brilhante - Edite
1980 - Plumas e Paetês - Zeni
1980 - Água Viva - Irene
1978 - Pecado Rasgado - Zoraide
1977 - O Astro - Consolação
1977 - Locomotivas - Joana
1976 - Saramandaia - Maria Aparadeira
1975 - Gabriela - Maria Machadão
1972/1975 - A Grande Família - Nenê
1972 - O Bofe - Gonzaguinha
1972 - Meu Primeiro Baile (Caso Especial)
1971 - Bandeira 2 - Zulmira
1971 - O Cafona - (participação especial)
1970 - A Próxima Atração - Dinorá
1970 - Pigmalião 70 - Ester
1969 - A Cabana do Pai Tomás - Emily
1969 - A Grande Mentira - Elvira
1965 - O Ébrio

Trabalhos no cinema

2010 - Obrigada! Curta-Metragem
1998 - Simão, o Fantasma Trapalhão
1990 - Beijo 2348/72
1976 - O Ibraim do Subúrbio
1974 - O Mau-Caráter
1973 - Os Mansos
1950 - Somos Dois

Apesar de ter feito mais de 30 papéis em novelas, Eloísa acha que as pessoas não sentem sua falta na dramaturgia: “Tem muita gente nova, bonita e talentosa na TV. Não precisam mais de mim”, diz a atriz, que não pensa em voltar a atuar em novelas: “Agora sou jardineira. Moro numa casa grande, com um quintal enorme.”

Os amigos estão saudosos. Ney Latorraca lembra com saudade da amiga: “Eloísa é maravilhosa.” Edmara Barbosa, a filha de Benedito Ruy Barbosa, conta que conheceu a atriz por intermédio do pai. “Conheci Eloísa Mafalda quando Paraíso foi ao ar pela primeira vez. Admiro muito o trabalho dela.”

ALUNO ATIROU NA PROFESSORA EM SEGUIDA SE MATOU

O menino de dez anos que atirou contra uma professora dentro da sala de aula e depois se matou, em São Caetano do Sul na Grande São Paulo, era manco e sofria bullying dos colegas por causa disso, de acordo com informações da polícia.

Ele era aluno do 4º ano da escola municipal Professora Alcina Dantas Feijão. O menino disparou contra a professora Rosileide Queiros de Oliveira, de 38 anos, por volta das 15h30 desta quinta-feira. No momento do disparo, 25 alunos estavam dentro da sala de aula.
O menino estava na sala de aula e pediu para ir ao banheiro. Ele voltou para o local já com a arma e atirou contra Rosileide. Em seguida, ele saiu da sala, sentou em uma escada, e atirou contra a própria cabeça.

De acordo com a prefeitura da cidade, ambos foram socorridos com vida. O menino foi atendido no Hospital de Emergência Albert Sabin, em São Caetano. Ele teve duas paradas cardíacas e morreu às 16h50.A professora foi socorrida pelo helicóptero Águia da Polícia Militar e está no Hospital das Clínicas, em São Paulo. Ela não corre risco de morte e seu estado de saúde é estável.

Ele pegou a arma do pai

O garoto era filho do guarda municipal Nilton Nogueira, e usou a arma do pai para fazer os disparos.

Nogueira deu falta da arma na manhã desta quinta-feira e procurou o filho mais velho, que não estava com ela. A família só descobriu que o menino de dez anos pegou a arma após o ocorrido.

- Psicólogo: 'Educar uma criança é responsabilidade de todos nós'

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

NÓS TEMOS PODER! É SÓ SABER USAR A REDE SOCIAL POR UMA CAUSA NOBRE.


VALEU A PENA AS PESSOAS PROTESTAREM CONTRA ESSA ABERRAÇÃO NA CHINA!






Depois de protestos de inúmeros internautas, o governo chinês cancelou a realização de um festival com 600 anos de tradição que era conhecido pela fartura de carne de cachorro, informaram nesta quarta-feira as autoridades da província de Zhejiang. Realizado sempre em outubro, na cidade de Qianxi, o festival despertou a revolta dos internautas por conta da crueldade com os cachorros, que eram sacrificados nas ruas em nome da celebração.

"Justamente por este motivo, o governo optou por seu cancelamento", disse o funcionário Zhang Jianhong à agência de notícias estatal Xinhua. Depois que o massacre de cachorros foi parar na internet através de um vídeo, milhares de pessoas resolveram se manifestar contra a realização do evento.

Segundo a história do festival, os cachorros de Qianxi foram sacrificados pelas tropas de Zhu Yuanzhang, fundador da dinastia Ming (1368-1644), antes que o mesmo tomasse a cidade. A intenção era evitar que os latidos estragassem os planos de ataque. Depois da conquista, as mesmas tropas promoveram um banquete com carne de cachorro. Assim, os habitantes da região começaram a adotar o costume para homenagear o imperador e sua esposa.
OLHA A MALDADE DOS HUMANOS, SACRIFICAR ANIMAIS E O PIOR COM BASTANTE SOFRIMENTO.
ESSA REALIDADE PRECISA ACABAR.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

DISCALCULIA - INABILIDADE DE EXECUTAR OPERAÇÕES MATEMÁTICAS

Discalculia (não confundir com acalculia) é definido como uma desordem neurológica específica que afeta a habilidade de uma pessoa de compreender e manipular números. A discalculia pode ser causada por um déficit de percepção visual. O termo discalculia é usado frequentemente ao consultar especificamente à inabilidade de executar operações matemáticas ou aritméticas, mas é definido por alguns profissionais educacionais como uma inabilidade mais fundamental para conceitualizar números como um conceito abstrato de quantidades comparativas.

É uma inabilidade menos conhecida, bem como e potencialmente relacionada a dislexia e a dispraxia. A discalculia ocorre em pessoas de qualquer nível de QI, mas significa que têm frequentemente problemas específicos com matemática, tempo, medida, etc. Discalculia (em sua definição mais geral) não é rara. Muitas daquelas com dislexia ou dispraxia tem discalculia também. Há também alguma evidência para sugerir que este tipo de distúrbio é parcialmente hereditario.

A palavra discalculia vem do grego (dis, mal) e do Latin (calculare, contar) formando: contando mal. Essa palavra calculare vem, por sua vez, de cálculo, que significa o seixo ou um dos contadores em um ábaco.

Discalculia é um impedimento da matemática que vá adiante junto com um número de outras limitações, tais como a introspecção espacial, o tempo, a memória pobre, e os problemas de ortografia. Há indicações de que é um impedimento congênito ou hereditário, com um contexto neurológico. Discalculia atinge crianças e adultos.

Discalculia pode ser detectada em uma idade nova e medidas podem ser tomadas para facilitar o enfrentamento dos problemas dos estudantes mais novos. O problema principal está em compreender que o problema não é a matemática e sim a maneira que é ensinada às crianças. O modo que a dislexia pode ser tratada de usar uma aproximação ligeiramente diferente a ensinar. Entretanto, a discalculia é o menos conhecida destes tipos de desordem de aprendizagem e assim não é reconhecida frequentemente.

Sintomas potenciais

Dificuldades freqüentes com os números, confundindo as operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Problemas de diferenciar entre esquerdo e direito.
Falta de senso de direção (para o norte, sul, leste, e oeste) e pode também ter dificuldade com um compasso.
A inabilidade de dizer qual de dois números é o maior.
Dificuldade com tabelas de tempo, aritmética mental, etc.
Melhor nos assuntos tais como a ciência e a geometria, que requerem a lógica mais que as fórmulas, até que um nível mais elevado que requer cálculos seja necessário.
Dificuldade com tempo conceitual e julgar a passagem do tempo.
Dificuldade com tarefas diárias como verificar a mudança e ler relógios analógicos.
A inabilidade de compreender o planejamento financeiro ou incluir no orçamento, nivelar às vezes em um nível básico, por exemplo, estimar o custo dos artigos em uma cesta de compras.
Tendo a dificuldade mental de estimar a medida de um objeto ou de uma distância (por exemplo, se algo está afastado 10 ou 20 metros).
Inabilidade de apreender e recordar conceitos matemáticos, régras, fórmulas, e seqüências matemáticas.
Dificuldade de manter a contagem durante jogos.
Dificuldade nas atividades que requerem processamento de seqüências, do exame (tal como etapas de dança) ao sumário (leitura, escrita e coisas sinalizar na ordem direita). Pode ter o problema mesmo com uma calculadora devido às dificuldades no processo da alimentação nas variáveis.
A circunstância pode conduzir em casos extremos a uma fobia da matemática e de dispositivos matemáticos (por exemplo números).

Causas potenciais
Os cientistas procuram ainda compreender as causas da discalculia, e para isso têm investigado em diversos domínios.
Neurológico: Discalculia foi associada com as lesões ao supramarginal e os giros angulares na junção entre os lóbulos temporal e parietal do cortex cerebral.
Déficits na memória trabalhando: Adams e Hitch discutem que a memória trabalhando é um fator principal na adição mental. Desta base, Geary conduziu um estudo que sugerisse que era um deficit de memória para aqueles que sofreram de discalculia. Entretanto, os problemas trabalhando da memória são confundidos com dificuldades de aprendizagem gerais, assim os resultados de Geary não podem ser específicos ao discalculia mas podem refletir um déficit de aprendizagem maiores.
Pesquisas feitas por estudiosos de matemática mostraram aumento da atividade de EEG no hemisfério direito durante o processo de cálculo algorítmico. Há alguma evidência de déficits direitos do hemisfério na discalculia.

Outras causas podem ser:

Um quociente de inteligência baixo (menos de 70, embora as pessoas com o QI normal ou elevado possam também ter discalculia).
Um estudante que tem um instrutor cujo o método de ensinar a matemática seja duro de compreender para o estudante.
Memória a curto prazo que está sendo perturbada ou reduzida, fazendo-a difícil de recordar cálculos.
Desordem congênita ou hereditária. As indicações da mostra dos estudos desta, mas não são ainda concreto.
Uma combinação destes fatores.

sábado, 17 de setembro de 2011

DPVAT INDENIZA VÍTIMAS DE ACIDENTES - CONHEÇA SEUS DIREITOS

Seguro DPVAT cobre vidas no trânsito. Como o próprio nome diz, ele indeniza vítimas de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre.


Isso significa que o DPVAT é um seguro que indeniza vítimas de acidentes causados por veículos que têm motor próprio (automotores) e circulam por terra ou por asfalto (via terrestre). Observe que nessa definição não se enquadram trens, barcos, bicicletas e aeronaves. É por isso que acidentes envolvendo esses veículos não são indenizados pelo Seguro DPVAT.


O DPVAT, por ser um seguro destinado exclusivamente a danos pessoais, não prevê cobertura de danos materiais causados por colisão, roubo ou furto de veículos. Também não estão cobertos pelo DPVAT os acidentes ocorridos fora do território nacional e os veículos estrangeiros em circulação no Brasil estão sujeitos a contratação de um seguro específico para este fim, entre eles o seguro Carta Verde (para maiores informações sobre o carta verde clique aqui).

Em caso de acidente, as situações indenizadas são morte ou invalidez permanente e, sob a forma de reembolso, despesas comprovadas com atendimento médico-hospitalar.

Você mesmo dá entrada nos pedidos de indenização e/ou de reembolso. O procedimento é simples, gratuito e não exige a contratação de intermediários. Basta juntar a documentação necessária ) e levar ao ponto de atendimento mais próximo.

Outro dado importante é que o Seguro DPVAT é obrigatório porque foi criado por lei, em 1974. Essa lei (Lei 6.194/74) determina que todos os veículos automotores de via terrestre, sem exceção, paguem o Seguro DPVAT. A obrigatoriedade do pagamento garante às vítimas de acidentes com veículos o recebimento de indenizações, ainda que os responsáveis pelos acidentes não arquem com a sua responsabilidade.

É por isso que pagar o Seguro DPVAT é mais do que uma obrigação. É um exercício de cidadania.
Conheça as situações cobertas pelo Seguro DPVAT, válidas para motoristas, passageiros e pedestres, seus respectivos valores de indenização ou reembolso e saiba quem pode solicitar a indenização:

INDENIZAÇÃO POR MORTE

Situação coberta: morte de motoristas, passageiros ou pedestres provocada por veículos automotores de via terrestre ou cargas transportadas por esses veículos, em atropelamentos, colisões e outros tipos de acidentes.

Valor da indenização: o valor da indenização é de R$ 13.500,00 por vítima

Beneficiários: são os herdeiros da vítima.

De acordo com a Lei 11.482/07, para acidentes ocorridos a partir de 29.12.2006, o valor da indenização é dividido simultaneamente, em cotas iguais, entre o cônjuge ou companheiro (50%) e os herdeiros (50%). Conforme a quantidade de herdeiros, a cota é fracionada em partes iguais. Se o acidente ocorreu antes de 29.12.2006, o cônjuge ou companheiro recebe primeiro a indenização e, na falta destes, os filhos ou, nesta ordem, os pais, avós, irmãos, tios ou sobrinhos.

Situação coberta: invalidez permanente total ou parcial decorrente de acidente envolvendo veículos automotores de via terrestre ou cargas transportadas por esses veículos.

Entende-se por INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL a perda ou redução, em caráter definitivo, das funções de um membro ou órgão, em decorrência de acidente provocado por veículo automotor. A impossibilidade de reabilitação deve ser atestada em laudo pericial.

Valor da indenização: o valor da indenização é de até R$ 13.500,00 por vítima. Variando conforme a gravidade das seqüelas e de acordo com a tabela do Seguro de Acidentes Pessoais.

Beneficiários: quem recebe a indenização por invalidez é a própria vítima do acidente.
Situação coberta: reembolso de despesas médico-hospitalares pagas por pessoa física ou jurídica pelo tratamento de lesões provocadas por veículos automotores ou por cargas transportadas por esses veículos.
Valor do reembolso: o valor do reembolso é de até R$ 2.700,00 por vítima, variando conforme a soma das despesas cobertas e comprovadas, aplicando-se os limites definidos nas tabelas autorizadas pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP.

Beneficiários: o beneficiário em casos de DAMS é a própria vítima.
Beneficiários menores

Menor de 16 anos: a indenização será paga ao representante legal (pai/mãe) ou ao tutor.

Menor entre 16 e 18 anos: a indenização será paga ao menor desde que assistido por representante legal (pai/mãe) ou tutor. Em caso de tutor, é necessária a apresentação de Alvará Judicial.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

CONHEÇA TODAS AS MISSES DO UNIVERSO DESDE 1952 A 2011


1963







1968

















MISS UNIVERSO 1963 MISS BRASIL IEDA MARIA VARGAS

Miss Universo 1963 foi a 12ª edição do concurso, realizada em 20 de julho em Miami Beach, Flórida, Estados Unidos. Cinquenta misses internacionais participaram do evento, vencido pela brasileira Ieda Maria Vargas, a primeira Miss Brasil a ser coroada Miss Universo depois da criação do concurso, em 1952.

Desde a criação do Miss Internacional em Long Beach, dois anos antes, depois da mudança do Miss Universo para Miami e para a costa leste, este concurso passou a ser considerado o principal concorrente, ao invés do Miss Mundo, realizado na Europa. O sucesso do Miss International fez os organizadores do MU realizarem mudanças em seu formato, modernizando-o, para conseguir mais audiência televisiva, já que, no ano anterior, o MI tinha sido considerado mais organizado que o Miss Universo.


MISS UNIVERSO 1968 MISS BRASIL MARTHA VASCONCELLOS

Miss Universo 1968 foi a 17ª edição do concurso Miss Universo, realizado em 13 de julho daquele ano, em Miami Beach, Flórida, Estados Unidos. Um número recorde de 65 candidatas de todo mundo participou do evento, vencido pela Miss Brasil Martha Vasconcellos, a segunda brasileira a conquistar a coroa de beleza universal.
Apesar de na época o Miss Universo estar sendo considerado como um evento ultrapassado, dedicado apenas à tradicional e conservadora classe média, em meio ao fim de uma década em que amor livre, fim do colonialismo, protestos contra a Guerra do Vietnã, direitos civis, apologia das drogas, postura radical contra o sistema e mudanças culturais eram as palavras de ordem, o concurso continuava crescendo em popularidade fora dos Estados Unidos e teve um número recorde de inscrições.






Vitórias por país

7 vitórias Estados Unidos
6 vitórias Venezuela
5 vitórias Porto Rico
3 vitórias Suécia


2 vitórias:

Austrália
Brasil
Canadá
Filipinas
Finlândia
Índia
Japão
México
Tailândia
Trinidad e Tobago


1 vitória:

África do Sul
Alemanha
Angola
Argentina
Botswana
Chile
Colômbia
Espanha
França
Grécia
Israel
Líbano
Namíbia
Nova Zelândia
Noruega
Países Baixos
Panamá
Peru
República Dominicana


Os concursos ano a ano

Ano Miss Universo País Idade Altura

1952 Armi Kuusela Finlândia 18 1,65 m
1953 Christiane Martel França 18 1,68 m
1954 Miriam Stevenson Estados Unidos 21 1,68 m
1955 Hillevi Rombin Suécia 21 1,70 m
1956 Carol Morris Estados Unidos 20 1,70 m
1957 Gladys Zender Peru 17 1,70 m
1958 Luz Marina Zuluaga Colômbia 19 1,63 m
1959 Akiko Kojima Japão 22 1,68 m
1960 Linda Bement Estados Unidos 18 1,68 m
1961 Marlene Schmidt Alemanha 24 1,73 m
1962 Norma Nolan Argentina 24 1,65 m
1963 Ieda Maria Vargas Brasil 18 1,68 m
1964 Corinna Tsopei Grécia 20 1,73 m
1965 Apasra Hongsakula Tailândia 18 1,63 m
1966 Margareta Arvidsson Suécia 18 1,73 m
1967 Sylvia Hitchcock Estados Unidos 20 1,70 m
1968 Martha Vasconcellos Brasil 20 1,73 m
1969 Gloria Maria Diaz Filipinas 18 1,65 m
1970 Marisol Malaret Porto Rico 20 1,73 m
1971 Georgina Rizk Líbano 18 1,70 m
1972 Kerry Anne Wells Austrália 20 1,78 m
1973 Maria Margarita Moran Filipinas 19 1,68 m
1974 Amparo Muñoz Espanha 20 1,73 m
1975 Anne Marie Pohtamo Finlândia 19 1,75 m
1976 Rina Messinger Israel 20 1,71 m
1977 Janelle Commissiong Trinidad e Tobago 24 1,65 m
1978 Margaret Gardiner África do Sul 18 1,78 m
1979 Maritza Sayalero Venezuela 18 1,73 m
1980 Shawn Weatherly Estados Unidos 20 1,73 m
1981 Irene Sáez Venezuela 19 1,78 m
1982 Karen Dianne Baldwin Canadá 18 1,78 m
1983 Lorraine Downes Nova Zelândia 19 1,74 m
1984 Yvonne Ryding Suécia 21 1,70 m
1985 Deborah Carthy-Deu Porto Rico 19 1,73 m
1986 Bárbara Palacios Teyde Venezuela 22 1,73 m
1987 Cecilia Bolocco Chile 22 1,73 m
1988 Porntip Nakhirunkanok Tailândia 20 1,73 m
1989 Angela Visser Países Baixos 22 1,75 m
1990 Mona Grudt Noruega 19 1,68 m
1991 Lupita Jones México 23 1,75 m
1992 Michelle McLean Namíbia 19 1,83 m
1993 Dayanara Torres Porto Rico 18 1,73 m
1994 Sushmita Sen Índia 18 1,73 m
1995 Chelsi Smith Estados Unidos 21 1,73 m
1996 Alicia Machado Venezuela 19 1,75 m
1997 Brook Mahealani Lee Estados Unidos 26 1,70 m
1998 Wendy Fitzwilliam Trinidad e Tobago 25 1,83 m
1999 Mpule Kwelagobe Botswana 19 1,78 m
2000 Lara Dutta Índia 21 1,73 m
2001 Denise Quiñones Porto Rico 20 1,78 m
2002 Justine Pasek Panamá 22 1,70 m
2003 Amelia Vega República Dominicana 18 1,85 m
2004 Jennifer Hawkins Austrália 20 1,80 m
2005 Natalie Glebova Canadá 23 1,80 m
2006 Zuleyka Rivera Mendoza Porto Rico 18 1,75 m
2007 Riyo Mori Japão 20 1,75 m
2008 Dayana Mendoza Venezuela 22 1,77 m
2009 Stefanía Fernández Venezuela 18 1,78 m
2010 Jimena Navarrete México 22 1,74 m
2011 Leila Lopes Angola 25 1,79 m

terça-feira, 13 de setembro de 2011

MISS UNIVERSO 2011 - AS CINCO FINALISTAS


MISS BRASIL 3º LUGAR


MISS ANGOLA 1º LUGAR

MISS CHINA 5º LUGAR


MISS UCRÂNIA 2ºLUGAR

MISS FILIPINAS 4º LUGAR


MISS BRASIL 3º LUGAR



MISS UNIVERSO 2010 MÉXICO ENTREGANDO A COROA A MISS UNIVERSO 2011 ANGOLA

MISS ANGOLA 1º LUGAR




Nathália Salvado
Direto de São Paulo

Aos 25 anos, a angolana Leila Lopes desbancou 88 concorrentes e venceu o concurso Miss Universo 2011, nesta segunda-feira (12), em São Paulo. Ela é a primeira representante da Angola a conquistar o título de mulher mais bonita do mundo. A brasileira Priscila Machado, 25, ficou em terceiro lugar e a representante da Ucrânia, Olesya Stefanko, 21, conquistou a segunda colocação. Pela primeira vez realizado no Brasil, o evento teve transmissão ao vivo pelo Terra.



A 60ª edição do concurso começou com a apresentação das 89 candidatas no palco do Credicard Hall. Logo em seguida foram anunciadas as 15 finalistas: França, Kosovo, Colômbia, China, Angola, Austrália, Porto Rico, Brasil, Holanda, Ucrânia, Panamá, Portugal, Filipinas, Estados Unidos, Venezuela e Costa Rica.

As representantes, então, desfilaram de biquíni para que os juradores escolhessem as dez mais preparadas para o posto de Miss Universo. As eleitas foram Angola, Brasil, Ucrânia, China, Filipinas, Austrália, Costa Rica, França, Portugal e Panamá.

Após o desfile em traje de gala, seguiram para a última etapa da competição as misses Angola, Brasil, Ucrânia, China e Filipinas. Todas essas respoderam às perguntas de alguns jurados.

Por ordem de sorteio, a Miss Ucrânia, Olesya Stefanko, foi a primeira. "Se você puder trocar de vida com outra pessoa, com quem trocaria?", questionou Amélia Veiga. A Miss disse que estava muito satisfeita com sua vida, mas, se pudesse escolher, seria a Cleópatra: "uma mulher pode ser uma líder, como a do Egito", disse.

A Miss Filipinas, Shamcey Supsup, foi questionada pela jurada Viviva Fox, que perguntou se ela mudaria de religião para se casar com a pessoa amada. A miss respondeu que, se tivesse que mudar de religião, não casaria. "Tenho meu Deus, minha fé e meus princípios. Se a pessoa me ama, terá que amar meu Deus", disse.

A top brasileira Isabeli Fontana foi a escolhida para questionar a Miss China, Luo Zilin, e perguntou o que ela achava das praias de nudismo. A miss respondeu que cada país tem "sua cultura, sua escolha e seus hábitos. Precisamos respeitar e compreender".

Já a Miss Brasil, Priscila Machado, respondeu a pergunta feita pelo piloto de fórmula Indy Hélio Castroneves. Ele quis saber o que ela faria para evitar uma guerra. Priscila respondeu que iria explicar para as pessoas que a principal qualidade do ser humano é o respeito. "Nenhuma guerra é baseada em respeito, e sim na falta de respeito, educação e humanidade. Desta forma, eu diria às pessoas que, como seres humanos, devem respeitar o próximo", disse.

Por fim, a atriz Filipina Lea Salonga quis saber da Miss Angola, Leila Lopes, se ela mudaria algo em seu corpo. Taxativa, a miss disse que estava satisfeita como "Deus a fez. E não mudaria nada, me considero bonita. E tenho um conselho: respeitem uns aos outros". Após responderem as perguntas feitas pelos jurados, foi revelado as três finalistas: Ucrânia, Brasil e Angola, coroando Leila como a mais bonita do mundo.

Atrações musicais e jurados
Se apresentaram no palco do Miss Universo as cantoras brasileiras Claudia Leitte e Bebel Gilberto. A baiana cantou a música inédita Locomotion Batucada, enquanto as misses desfilavam de biquíni. Já Bebel cantou Close Your Eyes quando as meninas exibiram seus trajes de gala.

Os jurados foram Amelia Vega, Miss Universo 2003, da República Dominicana; Helio Castroneves, piloto brasileiro de Fórmula Indy; Isabeli Fontana, modelo brasileira; Connie Chung, apresentadora de TV americana; Vivica Fox, atriz americana; Adrienne Maloof, empresária americana; Lea Salonga, atriz filipina; Farouk Shami, empresário americano; e Italo Zanzi, secretário americano geral da Concacaf (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe ).

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

DISLEXIA...CONHEÇA TUDO SOBRE ESSE ASSUNTO QUE COMPROMETE A LEITURA.

Entender como aprendemos e o porquê de muitas pessoas inteligentes e, até, geniais experimentarem dificuldades paralelas em seu caminho diferencial do aprendizado, é desafio que a Ciência vem deslindando paulatinamente, em 130 anos de pesquisas. E com o avanço tecnológico de nossos dias, com destaque ao apoio da técnica de ressonância magnética funcional, as conquistas dos últimos dez anos têm trazido respostas significativas sobre o que é Dislexia.

A complexidade do entendimento do que é Dislexia, está diretamente vinculada ao entendimento do ser humano: de quem somos; do que é Memória e Pensamento- Pensamento e Linguagem; de como aprendemos e do por quê podemos encontrar facilidades até geniais, mescladas de dificuldades até básicas em nosso processo individual de aprendizado. O maior problema para assimilarmos esta realidade está no conceito arcaico de que: "quem é bom, é bom em tudo"; isto é, a pessoa, porque inteligente, tem que saber tudo e ser habilidosa em tudo o que faz. Posição equivocada que Howard Gardner aprofundou com excepcional mestria, em suas pesquisas e estudos registrados, especialmente, em sua obra Inteligências Múltiplas. Insight que ele transformou em pesquisa cientificamente comprovada, que o alçou à posição de um dos maiores educadores de todos os tempos.

A evolução progressiva de entendimento do que é Disléxia, resultante do trabalho cooperativo de mentes brilhantes que têm-se doado em persistentes estudos, tem marcadores claros do progresso que vem sendo conquistado. Durante esse longo período de pesquisas que transcende gerações, o desencontro de opiniões sobre o que é Dislexia redundou em mais de cem nomes para designar essas específicas dificuldades de aprendizado, e em cerca de 40 definições, sem que nenhuma delas tenha sido universalmente aceita. Recentemente, porém, no entrelaçamento de descobertas realizadas por diferentes áreas relacionadas aos campos da Educação e da Saúde, foram surgindo respostas importantes e conclusivas, como:

que Dislexia tem base neurológica, e que existe uma incidência expressiva de fator genético em suas causas, transmitido por um gene de uma pequena ramificação do cromossomo # 6 que, por ser dominante, torna Dislexia altamente hereditária, o que justifica que se repita nas mesmas famílias;

que o disléxico tem mais desenvolvida área específica de seu hemisfério cerebral lateral-direito do que leitores normais. Condição que, segundo estudiosos, justificaria seus "dons" como expressão significativa desse potencial, que está relacionado à sensibilidade, artes, atletismo, mecânica, visualização em 3 dimenões, criatividade na solução de problemas e habilidades intuitivas;

que, embora existindo disléxicos ganhadores de medalha olímpica em esportes, a maioria deles apresenta imaturidade psicomotora ou conflito em sua dominância e colaboração hemisférica cerebral direita-esquerda. Dentre estes, há um grande exemplo brasileiro que, embora somente com sua autorização pessoal poderíamos declinar o seu nome, ele que é uma de nossas mentes mais brilhantes e criativas no campo da mídia, declarou: "Não sei por que, mas quem me conhece também sabe que não tenho domínio motor que me dê a capacidade de, por exemplo, apertar um simples parafuso";

que, com a conquista científica de uma avaliação mais clara da dinâmica de comando cerebral em Dislexia, pesquisadores da equipe da Dra. Sally Shaywitz, da Yale University, anunciaram, recentemente, uma significativa descoberta neurofisiológica, que justifica ser a falta de consciência fonológica do disléxico, a determinante mais forte da probabilidade de sua falência no aprendizado da leitura;

que o Dr. Breitmeyer descobriu que há dois mecanismos inter-relacionados no ato de ler: o mecanismo de fixação visual e o mecanismo de transição ocular que, mais tarde, foram estudados pelo Dr. William Lovegrove e seus colaboradores, e demonstraram que crianças disléxicas e não-disléxicas não apresentaram diferença na fixação visual ao ler; mas que os disléxicos, porém, encontraram dificuldades significativas em seu mecanismo de transição no correr dos olhos, em seu ato de mudança de foco de uma sílaba à seguinte, fazendo com que a palavra passasse a ser percebida, visualmente, como se estivesse borrada, com traçado carregado e sobreposto. Sensação que dificultava a discriminação visual das letras que formavam a palavra escrita. Como bem figura uma educadora e especialista alemã, "... É como se as palavras dançassem e pulassem diante dos olhos do disléxico".



A dificuldade de conhecimento e de definição do que é Dislexia, faz com que se tenha criado um mundo tão diversificado de informações, que confunde e desinforma. Além do que a mídia, no Brasil, as poucas vezes em que aborda esse grave problema, somente o faz de maneira parcial, quando não de forma inadequada e, mesmo, fora do contexto global das descobertas atuais da Ciência.

Dislexia é causa ainda ignorada de evasão escolar em nosso país, e uma das causas do chamado "analfabetismo funcional" que, por permanecer envolta no desconhecimento, na desinformação ou na informação imprecisa, não é considerada como desencadeante de insucessos no aprendizado.

Hoje, os mais abrangentes e sérios estudos a respeito desse assunto, registram 20% da população americana como disléxica, com a observação adicional: "existem muitos disléxicos não diagnosticados em nosso país". Para sublinhar, de cada 10 alunos em sala de aula, dois são disléxicos, com algum grau significativo de dificuldades. Graus leves, embora importantes, não costumam sequer ser considerados.

Também para realçar a grande importância da posição do disléxico em sala de aula cabe, além de considerar o seríssimo problema da violência infanto-juvenil, citar o lamentável fenômeno do suicídio de crianças que, nos USA, traz o gravíssimo registro de que 40 (quarenta) crianças se suicidam todos os dias, naquele país. E que dificuldades na escola e decepção que eles não gostariam de dar a seus pais estão citadas entre as causas determinantes dessa tragédia.

Ainda é de extrema relevância considerar estudos americanos, que provam ser de 70% a 80% o número de jovens delinqüentes nos USA, que apresentam algum tipo de dificuldades de aprendizado. E que também é comum que crimes violentos sejam praticados por pessoas que têm dificuldades para ler. E quando, na prisão, eles aprendem a ler, seu nível de agressividade diminui consideravelmente.

O Dr. Norman Geschwind, M.D., professor de Neurologia da Harvard Medical School; professor de Psicologia do MIT - Massachussets Institute of Tecnology; diretor da Unidade de Neurologia do Beth Israel Hospital, em Boston, MA, pesquisador lúcido e perseverante que assumiu a direção da pesquisa neurológica em Dislexia, após a morte do pesquisador pioneiro, o Dr. Samuel Orton, afirma que a falta de consenso no entendimento do que é Dislexia, começou a partir da decodificação do termo criado para nomear essas específicas dificuldades de aprendizado; que foi elegido o significado latino dys, como dificuldade; e lexia, como palavra. Mas que é na decodificação do sentido da derivação grega de Dislexia, que está a significação intrínsica do termo: dys, significando imperfeito como disfunção, isto é, uma função anormal ou prejudicada; e lexia que, do grego, dá significação mais ampla ao termo palavra, isto é, como Linguagem em seu sentido abrangente.

Por toda complexidade do que, realmente, é Dislexia; por muita contradição derivada de diferentes focos e ângulos pessoais e profissionais de visão; porque os caminhos de descobertas científicas que trazem respostas sobre essas específicas dificuldades de aprendizado têm sido longos e extremamente laboriosos, necessitando, sempre, de consenso, é imprescindível um olhar humano, lógico e lúcido para o entendimento maior do que é Dislexia.

Dislexia é uma específica dificuldade de aprendizado da Linguagem: em Leitura, Soletração, Escrita, em Linguagem Expressiva ou Receptiva, em Razão e Cálculo Matemáticos, como na Linguagem Corporal e Social. Não tem como causa falta de interesse, de motivação, de esforço ou de vontade, como nada tem a ver com acuidade visual ou auditiva como causa primária. Dificuldades no aprendizado da leitura, em diferentes graus, é característica evidenciada em cerca de 80% dos disléxicos.


Dislexia, antes de qualquer definição, é um jeito de ser e de aprender; reflete a expressão individual de uma mente, muitas vezes arguta e até genial, mas que aprende de maneira diferente...






"

domingo, 11 de setembro de 2011

VOCÊ TEM ALGUM ALUNO COM AUTISMO?










O que é o autismo?


“... O autismo, embora possa ser visto como uma condição médica, também deve ser encarado como um modo de ser completo, uma forma de identidade profundamente diferente ...” OLIVER SACKS

Conhecido cientificamente como DGD - Distúrbios Globais do Desenvolvimento – o autismo é uma síndrome caracterizada por alterações que se manifestam, sempre, na interação social, na comunicação e no comportamento.

Normalmente manifesta-se por volta dos 3 anos de idade persistindo por toda a vida adulta. Atinge principalmente o sexo masculino, na proporção de quatro meninos para cada menina. As causas ainda não foram claramente identificadas e várias abordagens de tratamento têm sido desenvolvidas.

Os prejuízos estão diretamente relacionados ao grau de autismo que a pessoa apresenta. Algumas, apesar de autistas, apresentam inteligência e fala intactas, outras apresentam também retardo mental, mutismo ou importantes retardos no desenvolvimento da linguagem. Algumas parecem fechadas e distantes, outras presas a comportamentos restritos e rígidos padrões de comportamento.

As pessoas com autismo têm um modo diferente de aprender, organizar e processar as informações. Para respeitar estas diferenças, elas precisam de ambientes estruturados e organizados, pois normalmente os autistas têm dificuldades em mudarem suas rotinas diárias.

Instituições educacionais bem estruturadas, com profissionais especializados, possibilitam um tratamento mais apropriado para os portadores de autismo em seus diversos graus de comprometimento.

A medida que conseguimos estabelecer um vínculo com cada um deles, procurando proporcionar um ambiente terapêutico, onde possam se sentir acolhidos, observamos um desabrochar na forma de se relacionarem, cada um se colocando com a característica que lhe é peculiar.

sábado, 10 de setembro de 2011

O QUE É TDAH? INFORME-SE...

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e freqüentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Ele se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. Ele é chamado às vezes de DDA (Distúrbio do Déficit de Atenção). Em inglês, também é chamado de ADD, ADHD ou de AD/HD.


Ele é reconhecido oficialmente por vários países e pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Em alguns países, como nos Estados Unidos, portadores de TDAH são protegidos pela lei quanto a receberem tratamento diferenciado na escola.

Não existe controvérsia sobre a existência do TDAH?
Não, nenhuma. Existe inclusive um Consenso Internacional publicado pelos mais renomados médicos e psicólogos de todo o mundo a este respeito. Consenso é uma publicação científica realizada após extensos debates entre pesquisadores de todo o mundo, incluindo aqueles que não pertencem a um mesmo grupo ou instituição e não compartilham necessariamente as mesmas idéias sobre todos os aspectos de um transtorno.


Ele é o transtorno mais comum em crianças e adolescentes encaminhados para serviços especializados. Ele ocorre em 3 a 5% das crianças, em várias regiões diferentes do mundo em que já foi pesquisado. Em mais da metade dos casos o transtorno acompanha o indivíduo na vida adulta, embora os sintomas de inquietude sejam mais brandos.


Quais são os sintomas de TDAH?
O TDAH se caracteriza por uma combinação de dois tipos de sintomas:

1) Desatenção

2) Hiperatividade-impulsividade
O TDAH na infância em geral se associa a dificuldades na escola e no relacionamento com demais crianças, pais e professores. As crianças são tidas como "avoadas", "vivendo no mundo da lua" e geralmente "estabanadas" e com "bicho carpinteiro" ou “ligados por um motor” (isto é, não param quietas por muito tempo). Os meninos tendem a ter mais sintomas de hiperatividade e impulsividade que as meninas, mas todos são desatentos. Crianças e adolescentes com TDAH podem apresentar mais problemas de comportamento, como por exemplo, dificuldades com regras e limites.

Em adultos, ocorrem problemas de desatenção para coisas do cotidiano e do trabalho, bem como com a memória (são muito esquecidos). São inquietos (parece que só relaxam dormindo), vivem mudando de uma coisa para outra e também são impulsivos ("colocam os carros na frente dos bois"). Eles têm dificuldade em avaliar seu próprio comportamento e quanto isto afeta os demais à sua volta. São freqüentemente considerados “egoístas”. Eles têm uma grande freqüência de outros problemas associados, tais como o uso de drogas e álcool, ansiedade e depressão.


Quais são as causas do TDAH?
Já existem inúmeros estudos em todo o mundo - inclusive no Brasil - demonstrando que a prevalência do TDAH é semelhante em diferentes regiões, o que indica que o transtorno não é secundário a fatores culturais (as práticas de determinada sociedade, etc.), o modo como os pais educam os filhos ou resultado de conflitos psicológicos.

Estudos científicos mostram que portadores de TDAH têm alterações na região frontal e as suas conexões com o resto do cérebro. A região frontal orbital é uma das mais desenvolvidas no ser humano em comparação com outras espécies animais e é responsável pela inibição do comportamento (isto é, controlar ou inibir comportamentos inadequados), pela capacidade de prestar atenção, memória, autocontrole, organização e planejamento.

O que parece estar alterado nesta região cerebral é o funcionamento de um sistema de substâncias químicas chamadas neurotransmissores (principalmente dopamina e noradrenalina), que passam informação entre as células nervosas (neurônios).
Existem causas que foram investigadas para estas alterações nos neurotransmissores da região frontal e suas conexões.


A) Hereditariedade:
Os genes parecem ser responsáveis não pelo transtorno em si, mas por uma predisposição ao TDAH. A participação de genes foi suspeitada, inicialmente, a partir de observações de que nas famílias de portadores de TDAH a presença de parentes também afetados com TDAH era mais freqüente do que nas famílias que não tinham crianças com TDAH. A prevalência da doença entre os parentes das crianças afetadas é cerca de 2 a 10 vezes mais do que na população em geral (isto é chamado de recorrência familial).

Porém, como em qualquer transtorno do comportamento, a maior ocorrência dentro da família pode ser devido a influências ambientais, como se a criança aprendesse a se comportar de um modo "desatento" ou "hiperativo" simplesmente por ver seus pais se comportando desta maneira, o que excluiria o papel de genes. Foi preciso, então, comprovar que a recorrência familial era de fato devida a uma predisposição genética, e não somente ao ambiente. Outros tipos de estudos genéticos foram fundamentais para se ter certeza da participação de genes: os estudos com gêmeos e com adotados. Nos estudos com adotados comparam-se pais biológicos e pais adotivos de crianças afetadas, verificando se há diferença na presença do TDAH entre os dois grupos de pais. Eles mostraram que os pais biológicos têm 3 vezes mais TDAH que os pais adotivos.

A partir dos dados destes estudos, o próximo passo na pesquisa genética do TDAH foi começar a procurar que genes poderiam ser estes. É importante salientar que no TDAH, como na maioria dos transtornos do comportamento, em geral multifatoriais, nunca devemos falar em determinação genética, mas sim em predisposição ou influência genética. O que acontece nestes transtornos é que a predisposição genética envolve vários genes, e não um único gene (como é a regra para várias de nossas características físicas, também). Provavelmente não existe, ou não se acredita que exista, um único "gene do TDAH". Além disto, genes podem ter diferentes níveis de atividade, alguns podem estar agindo em alguns pacientes de um modo diferente que em outros; eles interagem entre si, somando-se ainda as influências ambientais. Também existe maior incidência de depressão, transtorno bipolar (antigamente denominado Psicose Maníaco-Depressiva) e abuso de álcool e drogas nos familiares de portadores de TDAH.


B) Substâncias ingeridas na gravidez:
Tem-se observado que a nicotina e o álcool quando ingeridos durante a gravidez podem causar alterações em algumas partes do cérebro do bebê, incluindo-se aí a região frontal orbital. Pesquisas indicam que mães alcoolistas têm mais chance de terem filhos com problemas de hiperatividade e desatenção. É importante lembrar que muitos destes estudos somente nos mostram uma associação entre estes fatores, mas não mostram uma relação de causa e efeito.


C) Sofrimento fetal:
Alguns estudos mostram que mulheres que tiveram problemas no parto que acabaram causando sofrimento fetal tinham mais chance de terem filhos com TDAH. A relação de causa não é clara. Talvez mães com TDAH sejam mais descuidadas e assim possam estar mais predispostas a problemas na gravidez e no parto. Ou seja, a carga genética que ela própria tem (e que passa ao filho) é que estaria influenciando a maior presença de problemas no parto.


D) Exposição a chumbo:
Crianças pequenas que sofreram intoxicação por chumbo podem apresentar sintomas semelhantes aos do TDAH. Entretanto, não há nenhuma necessidade de se realizar qualquer exame de sangue para medir o chumbo numa criança com TDAH, já que isto é raro e pode ser facilmente identificado pela história clínica.


E) Problemas Familiares:
Algumas teorias sugeriam que problemas familiares (alto grau de discórdia conjugal, baixa instrução da mãe, famílias com apenas um dos pais, funcionamento familiar caótico e famílias com nível socioeconômico mais baixo) poderiam ser a causa do TDAH nas crianças. Estudos recentes têm refutado esta idéia. As dificuldades familiares podem ser mais conseqüência do que causa do TDAH (na criança e mesmo nos pais).
Problemas familiares podem agravar um quadro de TDAH, mas não causá-lo.


F) Outras Causas
Outros fatores já foram aventados e posteriormente abandonados como causa de TDAH:

1. corante amarelo
2. aspartame
3. luz artificial
4. deficiência hormonal (principalmente da tireóide)
5. deficiências vitamínicas na dieta.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

INCLUSÃO SOCIAL - SOMOS TODOS IGUAIS - A DIFERENÇA ESTÁ APENAS NO SEU OLHAR.





É difícil pensarmos que pessoas são excluídas do meio social em razão das características físicas que possuem, como cor da pele, cor dos olhos, altura, peso e formação física. Já nascemos com essas características e não podemos, de certa forma, ser culpados por tê-las.

A inclusão está ligada a todas as pessoas que não têm as mesmas oportunidades dentro da sociedade. Mas os excluídos socialmente são também os que não possuem condições financeiras dentro dos padrões impostos pela sociedade, além dos idosos, os negros e os portadores de deficiências físicas, como cadeirantes, deficientes visuais, auditivos e mentais. Existem as leis específicas para cada área, como a das cotas de vagas nas universidades, em relação aos negros, e as que tratam da inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho.

O mundo sempre esteve fechado para mudanças, em relação a essas pessoas, porém, a partir de 1981, a ONU (Organização das Nações Unidas) criou um decreto tornando tal ano como o Ano Internacional das Pessoas Portadoras de Deficiências (AIPPD), época em que passou-se a perceber que as pessoas portadoras de alguma necessidade especial eram também merecedoras dos mesmos direitos que os outros cidadãos.


As diferenças enriquecem a vida de todos

A princípio, eles ganharam alguma liberdade através das rampas, que permitiram maior acesso às escolas, igrejas, bares e restaurantes, teatros, cinemas, meios de transporte, etc. Aos poucos, o mundo foi se remodelando para dar-lhes maiores oportunidades.

Hoje é comum vermos anúncios em jornais, de empresas contratando essas pessoas, sendo que de acordo com o número de funcionários da empresa, existe uma cota, uma quantidade de contratação exigida por lei. Uma empresa com até 200 funcionários deve ter em seu quadro 2% de portadores de deficiência (ou reabilitados pela Previdência Social); as empresas de 201 a 500 empregados, 3%; as empresas com 501 a 1.000 empregados, 4%; e mais de 1.000 empregados, 5%.

Nossa cultura tem uma experiência ainda pequena em relação à inclusão social, com pessoas que ainda criticam a igualdade de direitos e não querem cooperar com aqueles que fogem dos padrões de normalidade estabelecido por um grupo que é maioria. E diante dos olhos deles, também somos diferentes.

E é bom lembrar que as diferenças se fazem iguais quando essas pessoas são colocadas em um grupo que as aceite, pois nos acrescentam valores morais e de respeito ao próximo, com todos tendo os mesmos direitos e recebendo as mesmas oportunidades diante da vida.

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

7 DE SETEMBRO - DIA DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL








O governador Teotonio Vilela abre nesta quarta-feira (7), às 8h30, as solenidades comemorativas do dia 7 de Setembro, quando se comemora o 189º aniversário da Independência do Brasil.

O desfile cívico-militar acontecerá em frente ao Memorial à República, na Avenida da Paz em Jaraguá.

Este ano, a Polícia Militar levará para a avenida o maior efetivo entre as tropas que estarão representadas no desfile. Serão 700 policiais militares e 100 viaturas.

Também participarão do evento alunos do Colégio Tiradentes, da Polícia Militar e estudantes de escolas que passaram pelo Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência da PM (Proerd).

O desfile também contará com a apresentação de técnicas e táticas especiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e do Batalhão de Radiopatrulha (RP). Neste ano, uma das novidades será o desfile da mais nova modalidade de patrulhamento do Batalhão de Polícia Escolar, o policiamento ciclístico.

Acesso

Policiais do Batalhão de Trânsito e guardas municipais farão o patrulhamento nas vias de acesso ao local do desfile para orientar o público que se deslocar para a comemoração. Apenas veículos credenciados terão acesso à área de estacionamento. Os veículos credenciados deverão trafegar pela Avenida Jangadeiros Alagoanos, adentrando pela Sá e Albuquerque e retornando em frente à Secretaria da Saúde.

O Cerimonial do Governo do Estado informa que as credenciais são pessoais, de uso individual e intransferíveis.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO MAGISTÉRIO

Educadores das escolas municipais de Maceió serão avaliados quanto ao seu desempenho. Para isso, diretores e coordenadores pedagógicos da rede participaram, na tarde desta terça-feira (30), de uma assembleia com a comissão responsável pela Avaliação de Desempenho dos Servidores do Magistério. A finalidade é analisar a atuação do profissional na função que ele exerce, objetivando a sua valorização.
De acordo com a presidente da comissão, Benúbia Correia, o objetivo da assembleia foi apresentar os procedimentos para a realização da avaliação dos educadores, que acontecerá no dia 4 de outubro. “Eles receberam instrução para a formação das subcomissões nas escolas”, explica Benúbia. Ela argumenta que o sistema de avaliação do desempenho é importante porque possibilita contribuir com o desenvolvimento dos servidores da Semed, e isso representa um ganho fundamental no processo de valorização do profissional.
Os educadores serão avaliados por meio de oito critérios, cuja proposta é melhorar a qualidade do seu trabalho: Senso de responsabilidade, relacionamento interpessoal, disciplina, produtividade, assiduidade, pontualidade, participação em processos de formação e participação em curso de aperfeiçoamento. Esses critérios se baseiam no planejamento das atividades de cada função.
Cada profissional do magistério será avaliado de acordo com sua função – por exemplo, diretor, coordenador, professor, bem como os técnicos pedagógicos da sede. Benúbia informou que a assembleia está sendo realizada com os representantes das escolas e dos educadores lotados na sede.
A proposta é que cada unidade de ensino forme sua própria subcomissão, desde que obtenha o consenso, ou seja, que seja escolhida por aclamação ou voto de seus pares. “Na terça-feira, nos reunimos pela manhã e à tarde com as escolas. Na quarta pela manhã demos continuidade com os professores lotados na sede”, reforça Benúbia Correia.
Durante a assembleia, os educadores recebem instruções de como serão desenvolvidas as etapas do processo para avaliação. “Será preciso convocar assembleia geral e formar uma subcomissão. Eles receberão um modelo de edital de convocação, de ata de registro e um formulário de frequência”, completa Benúbia, reforçando que é importante destacar que cada servidor avaliado receberá o comprovante de sua avaliação.
A avaliação dos servidores do magistério é realizada a cada dois anos. É por meio dessa avaliação que o servidor consegue a progressão de nível. Mais informações poderão ser tiradas nos plantões de atendimento que ocorrerão às quartas e quintas-feiras, durante o mês de setembro, na sala dos conselhos, na Semed, das 8h às 14h.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

REFLEXÃO - APRENDER A DIVIDIR







UMA JOVEM ESTAVA A ESPERA DE SEU VOO, NA SALA DE EMBARQUE DE UM GRANDE AEROPORTO.
COMO DEVERIA ESPERAR VÁRIAS HORAS, RESOLVEU COMPRAR UM LIVRO PARA PASSAR O TEMPO, COMPROU TAMBÉM UM PACOTE DE BISCOITOS.
SENTOU-SE NUMA POLTRONA NA SALA VIP,PARA PODER DESCANSAR E LER EM PAZ.
AO LADO DA POLTRONA, ONDE ESTAVA O SACO DE BISCOITOS, SENTOU-SE UM HOMEM, QUE ABRIU UMA REVISTA E COMEÇOU A LER.
QUANDO ELA PEGOU O PRIMEIRO BISCOITO, O HOMEM TAMBÉM TIROU UM. SENTIU-SE INDIGNADA MAS NÃO DISSE NADA, APENAS PENSOU: "MAS QUE ATREVIDO! SE EU ESTIVESSE COM DISPOSIÇÃO DAVA-LHE UM SOCO NO OLHO, PARA QUE ELE NUNCA MAIS SE ESQUECESSE DESTE ATREVIMENTO!"
A CADA BISCOITO QUE ELA PEGAVA, O HOMEM TAMBÉM TIRAVA UM. AQUILO FOI DEIXANDO-A CADA VEZ MAIS INDIGNADA, MAS NÃO CONSEGUIA REAGIR.
QUANDO RESTAVA APENAS UM BISCOITO, ELA PENSOU:"AH...O QUE VAI ESSE ABUSADO FAZER AGORA?"
ENTÃO, O HOMEM DIVIDIU O ÚLTIMO BISCOITO AO MEIO, DEIXANDO A OUTRA METADE PARA ELA.
AH! AQUILO ERA DEMAIS! ELA ESTAVA SOPRANDO DE RAIVA! ENTÃO, PEGOU NO LIVRO E NO RESTANTE DE SUAS COISAS E DIRIGIU-SE PARA A PORTA DE EMBARQUE.
QUANDO SE SENTOU CONFORTAVELMENTE NUMA POLTRONA, JÁ NO INTERIOR DO AVIÃO, OLHOU PARA DENTRO DA BOLSA PARA TIRAR OS ÓCULOS. PARA SUA GRANDE SURPRESA, VIU INTACTO O PACOTE DE BISCOITOS QUE TINHA COMPRADO! SENTIU IMENSA VERGONHA! PERCEBEU QUE QUEM ESTAVA ERRADA ERA ELA...TINHA ESQUECIDO QUE HAVIA GUARDADO OS BISCOITOS NA SUA BOLSA.
O HOMEM TINHA DIVIDIDO OS BISCOITOS DELE COM ELA, SEM SE SENTIR INDIGNADO, NEFVOSO OU REVOLTADO. NO ENTANTO ELA HAVIA FICADO TRANSTORNADA, PENSANDO ESTAR A DIVIDIR OS BISCOITOS DELA COM ELE.
E AGORA ELA NÃO TINHA COMO SE EXPLICAR...NEM PEDIR DESCULPAS, NEM COMO AGRADECER A GENTILEZA DELE.
FOI UMA GRANDE LIÇÃO PARA ELA.
QUE SIRVA TAMBÉM DE LIÇÃO PARA TODOS NÓS, QUANTAS VEZES NÃO SENTIMOS ALGO PARECIDO COM ISSO?
QUE A GENTE APRENDA A DIVIDIR E COMPARTILHAR COM TODOS.
QUE ATITUDES PEQUENAS COMO ESTA, NÃO FAÇA PARTE DE NOSSA ROTINA.

sábado, 3 de setembro de 2011

PROJETO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL - "CONHECENDO O MEU CORPO"



O projeto sobre o corpo humano,tem o objetivo de desenvolver os aspectos: cognitivo, social, afetivo e psicomotor, bem como, avaliar o conhecimento prévio dos alunos.
O professor irá trabalhar as semelhanças e diferenças entre os indivíduos, ressaltando a importância de respeitar as diferenças de cada um.
Durante o projeto será realizada atividades diversificadas que envolvam os cinco sentidos: olfato, paladar, tato, audição e visão.
No final do projeto o aluno deverá ser capaz de identificar as partes do corpo e suas funções.
A culminância será a culinária realizada pelas crianças - " brigadeiro ".
Toda a participação e desempenho dos alunos,será observado e registrado através de fotos e anotações.