leile_pinto@hotmail.com

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Estudantes de instituto federal vão passar 30 dias no Texas

Estudantes de nove câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense vão passar os próximos meses de janeiro e fevereiro nos Estados Unidos. Os 40 alunos da instituição gaúcha terão a oportunidade de estudar o idioma inglês e técnicas de gestão e de empreendimentos no Alamo Colleges, em San Antonio, Texas.

Em sua maioria, esses estudantes, oriundos de famílias de baixa renda, ainda não tiveram oportunidade de sair de sua região ou do país. Nos EUA, eles ficarão hospedados em casas de famílias norte-americanas.

A iniciativa faz parte do projeto Mobilidade Escolar Internacional, desenvolvido pelo instituto com o apoio da diretoria internacional do Alamo Colleges. Na seleção dos alunos, foram considerados critérios como situação socioeconômica, avaliação acadêmica, conhecimento da língua inglesa e frequência escolar.

“A experiência mostrará ao aluno que o intercâmbio pode fazer parte de suas vidas e de sua formação e que tais oportunidades também são acessíveis a estudantes de uma instituição pública”, afirma a assessora de assuntos internacionais do instituto, Lia Pachalsky. A assessora para assuntos de educação da Embaixada dos Estados Unidos, Márcia Misuno, salienta que a experiência dos estudantes gaúchos levará outras instituições de ensino brasileiras e norte-americanas a adotar iniciativas semelhantes, o que ajudará a estreitar as relações entre Brasil e EUA.

Divididos em duas turmas de 20 pessoas, os brasileiros permanecerão no Texas por 30 dias. Para Alana de Borba, do curso de agropecuária, a viagem oferecerá uma visão abrangente da cultura americana. Ela pretende também ampliar os conhecimentos no idioma, a cada dia mais valorizados no mercado de trabalho. “Vou melhorar meu currículo”, constata.

André Álvares, do curso tecnológico em saneamento ambiental, espera conviver de fato com a cultura local. “Só a conheço através de filmes, vídeos e livros”, observa.

Internacionalização — O assessor internacional da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação, Rodrigo Torres, lembra que a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica iniciou, há dois anos, o programa de internacionalização dos institutos federais. “A iniciativa prevê intercâmbio de professores e de estudantes, além da realização de pesquisas conjuntas”, diz. “Além de permitir aos alunos conhecer outras culturas e pessoas, ela permite e incentiva o intercâmbio de conhecimentos técnicos.”

Com o intercâmbio, as instituições envolvidas pretendem promover a troca de experiências entre estudantes e professores de ambos os países; desenvolver nos brasileiros a proficiência na língua inglesa em nível básico; ampliar o conhecimento do mundo do trabalho, da educação profissional e de diferentes formas de abordagem dos conceitos de empreendedorismo; permitir aos alunos a adaptação a um país estrangeiro e às regras de convivência propostas no programa de estudos do Alamo Colleges.

Ana Júlia Silva de Souza
fonte:www.portal.mec.gov.br

Um comentário:

  1. Assinem esse abaixo-assinado:

    http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2011N9205

    Inclusão dos professores do EBTT no decreto 1.590/95.

    ResponderExcluir